Notícia

A lente de aumento que precisávamos

quarta, 26 de junho de 2019
Porque a Lava Jato não pode parar

A relevância da Lava Jato vai além dos corruptos que prendeu. Gerou uma reflexão coletiva a respeito de questões essenciais sobre quem somos como povo, do que somos feitos. E sobre como a crise de democracia que estamos vivendo hoje tem relação com o fato de a corrupção no nosso país não ter sido até aqui um ponto fora da curva, mas praticamente a estrada por onde circulou uma parte significativa do poder e da riqueza.

 

Em toda a sua história, o Brasil olhava para o alto para ver a bandeira tremular com a frase “Ordem e Progresso” enquanto, aqui embaixo, adotava outro lema para levar a vida: criar dificuldades (políticas e legais) para ganhar facilidades (financeiras).

 

Claro, não foi a Lava Jato que fez nós nos enxergamos no espelho. Os brasileiros já sabiam de tudo isso antes de a operação iniciar. Mas talvez, foram essas investigações mais duras contra a corrupção que reaqueceram a discussão sobre o assunto, adormecida há tanto tempo, limitada talvez aos corredores de universidades ou salas de pensadores. Foram elas que movimentaram de novo as ruas, que geraram indignação coletiva e, assim, incomodaram a velha política, que atuava tranquila, sem enxergar no horizonte qualquer sinal de punição.

 

A Lava Jato não foi perfeita. Sabemos que o Brasil ainda engatinha na execução de suas leis e na prática da democracia. Porém, é inegável que a operação jogou luz em muitos cômodos escuros, em que até mesmo a Justiça parecia ter perdido a vontade de entrar.

 

A consequência de termos visto de tão perto o tamanho do câncer foi o desejo coletivo de entender nossa doença profundamente, em vez de fecharmos o ângulo da lente apenas nos sintomas. Desistimos de nos enganar, acreditando que apenas prender este ou aquele curaria o mal. Passamos a discutir reformas e a apostar em um sistema novo, sem os vícios antigos. A causar medo nos políticos que eram, na verdade, criminosos. E, principalmente, a nos envolver com a mudança.

 

Não é simples ajustar uma economia em um país que sempre a conectou com o que é político. Também não é fácil promover crescimento em um Brasil em que a obrigação de prometer favores e acomodar parentes e amigos sempre foi o corriqueiro. A resposta à pergunta “O que eu ganho com isso?” continuou sendo o cimento de boa parte do que construímos, mesmo depois de liquidado o Império e proclamada a República.

 

Mas a Lava Jato mostrou que podemos, sim, ter um país maduro e igualitário, em que o patrimonialismo para de despejar na rua, que é de todos, o sujo de suas mansões partidárias, cujos membros da família servem apenas a seus pais. E que, se queremos ter alicerces fortes para o desenvolvimento humano e econômico do Brasil, temos que começar a mexer na nossa lama para que ela pavimente de uma vez o nosso crescimento.

Fonte: Marco Tadeu Barbosa, presidente da Faciap