Notícia

Estudo mostra viabilidade da suinocultura

quarta, 27 de fevereiro de 2019
Estudo técnico mostra viabilidade da suinocultura na região da Amunpar

Um estudo técnico produzido por professores dos cursos de Veterinária, Agronomia, Ciências Contábeis e de Administração da Faculdade Fatecie mostra que é viável a implantação da suinocultura como nova alternativa econômica para o campo na região da Amunpar, que reúne 28 municípios no entorno de Paranavaí.

 

O estudo foi apresentado pelo professor Marivaldo da Silva Oliveira (médico veterinário) ao G-8, grupo que reúne as principais entidades não governamentais de fomento econômico da cidade e que pediu a análise. A partir deste estudo, os trabalhos avançarão para uma nova fase: que é conhecer os sistemas de implantação da atividade (integração ou cooperativa) e depois apresentar o resultado do trabalho aos produtores rurais para verificar o interesse deles na nova opção.

 

Para a implantação da atividade na região, os pesquisadores sugerem a adoção de um método de planejamento e gestão estratégica de sistemas agroindustriais (método GESis), que “requer esforços de diversas entidades e setores da cadeia produtiva, por ser um trabalho criterioso, profundo e com um prazo de aproximadamente 5 anos para seu desenvolvimento”, conforme explicou o veterinário. Esta metodologia vai “propiciar aos pequenos produtores a chance de terem acesso ao mercado”.

 

O estudo identificou na região dois frigoríficos de abate de suínos (um exclusivo e outro que abate outros animais, como gado e ovelhas) e 15 produtores, dos quais três aceitaram responder um questionário.

 

Usando informações da Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS), Marivaldo informou que o Brasil é o 4º maior produtor e exportador de carne suína do mundo - “desempenho significativo quando comparado com a média mundial e essa trajetória está ancorada em mudanças organizacionais e no contínuo incremento tecnológico”.

 

Citou, ainda, que “existem dois grupos distintos de empresas e cooperativas que abatem suínos e processam carne suína no Brasil: as líderes de mercado e as organizações que atuam em mercados regionais e locais. Cada sistema está adaptado ao seu mercado e todos vêm ganhando eficiência e competitividade”.

 

Ao final, o representante da Fatecie disse que do ponto de vista técnico, levando em consideração aspectos zootécnicos e de sanidade, a suinocultura é viável na Amunpar. Lembrou das possibilidades ambientais, com aproveitamento dos dejetos para compostagem, biodigestor e geração de créditos de carbono, entre outras opções viáveis. Considerou, ainda, que as características geotopográficas não impede o desenvolvimento da suinocultura.

 

“O Estado de Santa Catarina possui solo semelhante com relevo topográfico acidentado e ainda assim é grande produtor. Aqui temos a planície, que é mais favorável”, disse ele.

 

E finalizou que, do ponto de vista econômico, é preciso avaliar o modelo que a região quer seguir e o formato de investimento. Por isso, antes de conversar com possíveis futuros produtores, o G-8 vai conhecer as opções e levar uma proposta consistente para futuros suinocultores.

Fonte: Assessoria de Imprensa Aciap